4ª Era: Era do Fogo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

4ª Era: Era do Fogo

Mensagem por Admin em Dom Set 22, 2013 9:15 pm

O tempo se seguiu com o reino de Barest tomando pouco a pouco as terras das fronteiras a sul e a oeste. Mais ou menos, 15 anos atrás, Sir Gerold Barristan reuniu os feudos da fronteira para uma tomada grande de terras na parte selvagem do continente. Ele esperava uma rendição pacífica por parte da tribo barbara da fronteira, porem o que ele não sabia é que essa mesma tribo era devotada ao totem do leão e não iriam se render nunca. Esse foi o primeiro erro de Sir Barristan nessa guerra. Quando a batalha se tornou inevitável, Sir Barristan e o Rei Armis IV uniram forças de todos os feudos para tomar as terras. Ele acreditou que uma investida forçada iria fazer com que os membros da tribo iram correr para trás assustado, mas invés disso eles correram pra frente e não podendo recuar naquele momento pois poderia perder a confiança do rei e de todas as outras famílias feudais, Sir Barristan ordenou o massacre de toda a tribo Sealgairí Onóra. Esse foi o seu segundo erro.
Após esse evento lastimável, as outras tribos bárbaras se reuniram e formou uma aliança fortíssima, aliança conhecida como Deartháir Talún. O povo do centro não estava preparada para a selvageria que se seguiu. Os bárbaros atacavam sem distinção de homens ou mulheres, civis ou guerreiros, eles matavam e queimavam cidades inteiras na fronteira. Isso assustou os homens do centro, que pediram uma trégua. Pouco tempo depois pediram um acordo, onde o centro retiraria suas tropas das terras a oeste e devolveria escravos das tribos restantes. Foi uma escolha difícil a ser feita pelo rei, porem o povo temia cada vez mais essa guerra e o acordo foi fechado.
Desde esse episodio Sir Barristan se tornou um aliado das terras selvagens, negociando e comercializando com os povos bárbaros. Porem não durou muito. 15 anos depois em uma reunião mal sucedida com umas das tribos do oeste,Sir Barristan foi atacado e os ferimentos foram profundos demais para uma recuperação rápida. Ele veio a falecer em sua cama em frente ao seu filho Mason. O mesmo foi acusado pelo irmão de ter assassinado o próprio pai quando o irmão o viu saindo de suas terras com um membro da antiga tribo Sealgairí Onóra. Pouco tempo depois disso ele foi encontrado andando com mais um membro sobrevivente da mesma tribo, com uma oriental e um anão. A especulação era de que ele estava fazendo tratados e passando informação aos povos bárbaros.
Em um dia de comemoração na cidade de Durelan eles se entregaram diretamente ao rei, tiveram uma reunião secreta e mais nada foi falado sobre eles. Coisa de dias depois, Lady Kaelara Vorax armou uma reunião em suas próprias terras entre as tribos do oeste e Eld Bärtiger Haifisch, atual líder dos Herrens. Pelas ultimas informações o Rei Armis I ainda tenta uma negociação de paz com a terra do oeste enquanto que os bárbaros do norte agora estão defendendo as fronteiras e atacando cidades próximas as terras do oeste e ao feudo Vorax.
O rei Armis IV recuperou o Escudo de Shintae, um escudo dado a sua avó a rainha Shintae Barest pela tribo Sealgairí Onóra e feito pelo Rei Anão Durgute “Machado dos Deuses”, e seguiu em direção ao oeste para conseguir um paz com as tribos. O tratado foi feito e as tribos do oeste resolveram não interferir de maneira alguma, nem ao lado dos Barestianos nem ao lado dos Herrens que estavam por ali, porem expulsariam ambos os lados se eles entrassem em suas terras.
Assim a guerra ficou mais igualitaria e em pouco tempo os herrens foram expulsos para as suas ilhas e Lady Kaelara presa como traidora do reino. Antes mesmo de ser julgada Lady Kaelara foi assassinada de maneira estranha dentro dos portões de Durelan, nos braços de seu filho Raziel.
Durante esse tempo um grupo de criaturas atravessou o deserto. Tais criaturas eram como feras humanas, misturavam as melhores qualidades dos felinos com as melhores qualidades dos humanos, por isso o povo de Barest passou a chama-los de Felinos. Essas criaturas viram com o seu rei, Liono, em busca de um outro grupo de criaturas chamados Drakes. 
Esses Drakes eram a junção do ser humano com um dragão ou lagarto e tinham muito poder arcano e uma facilidade enorme de se passar por outras pessoas. Barest aceitou de bom grado a presença dos felinos, assim como também recebeu os Canideos, seres híbridos de homens e cachorros ou lobos, e os Rhox, seres híbridos de humanos com rinocerontes e elefantes. A caça pelos drakes começou e o mundo todo se viu buscando uma criatura que poderia ser qualquer um, fazendo as pessoas não confiarem nem nos seus próprios reflexos. 
Durante essas buscas, duas coisas aconteceram que foi crucial para os tempos que vivemos hoje. A primeira foi a invasão de Illidan, o Dragão de Prata, a capital de Barest, Durellan, assassinar o rei e tomar o controle da cidade. A segunda foi a descoberta de artefatos poderosíssimos conhecidos como Orbes do Dragão, um objeto que todo dragão deixa apos ser morto e que permite ao seu portador controlar e ter poderes próximos ao do dragão representado pela orbe. 
assim uma caça começou pelo mundo atras dessas orbes, enquanto alguns queriam tirar elas das mãos dos drakes, outros viram a oportunidade de ficarem mais fortes e tomarem seus objetivos. 
Enquanto os membros das outras raças começam o planejar o ritual q vai aprisionar novamente os drakes em um plano de existência diferente, descobre-se que que Illidan estava sendo dominado por um desses drakes, então enquanto Aksana, o Dragão Azul, invade durelan e começa a lutar com Illidan, Holdor, um dos grandes heróis dessa época, lidera um grupo que procura o possuidor da orbe, a batalha toma a cidade e como num instante Illidan desperta e para a confusão que estava acontecendo. Entrega o reino sob uma condição, que não houvesse mais um rei, mas um conselho com um representante de cada reino que lideraria para o povo. 
E assim se seguiu. 
Durante o ritual, o lider do norte, Jarl Eld Bärtiger Haifisch, foi morto em batalha e seus homens fugiram das terras do centro como se fossem os ratos que fogem dos seus navios. E nesse momento a esperança de paz reinou.
Mas durante a era do fogo, a paz dura pouco tempo e menos de um mês depois  começou a crise dos mortos vivos. Batalhas se travam a todo momento contra mortos que levantam com fogo em seus olhos e sangue em suas espadas. Batalhas diversas que levaram o reino a se enfraquecer e deixar o caminho aberto para que Gregor Barristan caminhasse com sua tropa pelos reinos centrais e se nomear-se rei, sei haver nenhuma oposição. Agora essa decisão esta criando uma cisão entre os feudos centrais, enquanto a Donzela Negra, senhora desses mortos mata cada vez mais e aumenta seu exercito em grande numero.
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 467
Data de inscrição : 02/06/2013

Ver perfil do usuário http://batalha.rpgwars.net

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum